02 de Abril – Dia Mundial da Conscientização do Autismo

Dia 02 de Abril é um dia muito especial para nós da área da psicologia, pois é o dia que foi instituído pelo Ministério dos Direitos Humanos como o DIA MUNDIAL DA CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO.

A ideia deste dia é fazer com que as pessoas busquem por mais informações e conhecimentos que desmitifiquem o autismo, mostrando para a sociedade que assim como existem diversos tipos de pessoas, também existem diversos tipos de autistas e que todos merecem respeito e oportunidades de convívio e desenvolvimento social.

Por este motivo, criamos esta matéria curtinha com algumas informações a cerca do assunto, vamos lá?

  • O Autismo pertence a um grupo de doenças do desenvolvimento cerebral, conhecido por TEA – “Transtornos de Espectro Autista”. O nome foi ampliado pois o autismo abrange uma gama bastante diversificada de sintomas e cada paciente é diferente sendo muito difícil enquadra-lo em um determinado “tipo” de autismo, assim foi criada uma nova forma de se olhar para este transtorno ampliando-o em um espectro mais abrangente.
  • Pessoas dentro do espectro costumam apresentar algumas características como: dificuldade social, fobias e agressividade, mas é importante lembrar que cada indivíduo é único e terá as suas características, afinal existem vários níveis diferentes de autismo e doenças que podem surgir associadas ao transtorno.
  • Uma característica bastante comum entre indivíduos dentro do espectro são as estereotipias (movimentos repetitivos como se bater, correr sem parar, movimentar a coluna para trás e para frente, entre outros). Porém este tipo de sintoma pode melhorar com a ajuda dos profissionais de saúde adequados, e a população em geral precisa aprender a lidar com situações onde o individuo apresente estereotipias sem deixa-lo desconfortável ou até mesmo ridiculariza-lo, como sabemos que INFELIZMENTE acaba acontecendo muitas vezes.
  • Ambientes muito carregados em estímulos podem perturbar os indivíduos dentro do espectro, excessos de luzes e sons principalmente.
  • Ao contrário do que muitos pensam individuo dentro do espectro querem se relacionar, apenas tem dificuldades, não compreendem como fazê-lo, o conhecimento pode promover as habilidades corretas para iniciar esta relação.
  • Por se desenvolver de forma diferenciado o autista tem grande necessidade de terapias e acompanhamentos que o estimulem e o auxiliem na aquisição de habilidades.

☑️ É necessário que a sociedade tome consciência e aprenda mais sobre este transtorno para que os autistas possam participar ativamente da vida em sociedade. 

CURIOSIDADE: Poucas pessoas sabem mas o simbolo do autismo é composto por peças de quebra-cabeças devido a imensa complexidade deste transtorno.

Nós da Carol Bertti – Psicologia Infantil zelamos por uma sociedade mais inclusiva e estamos sempre dispostos a divulgar informações e conhecimento a toda população.

Quem ama aceita e compreende! 

Autor: Carolina Teixeira Bertti – Psicóloga Infantil – CRP 06/149000 
WhatsApp (11) 98206-8024
E-mail: contato@carolpsicologia.com.br

Toda criança quer e precisa de LIMITES

Com a chegada de uma criança é muito comum que os pais fiquem completamente apaixonados e desejem que aquele filho seja abundantemente feliz. 

Entretanto este desejo pode levar alguns pais a cometerem certos excessos que levarão seus filhos a sentirem exatamente o oposto de felicidade e contentamento.

O bebê vem ao mundo completamente indefeso, sem saber como deve agir e o que pode ou não fazer, e cabe aos pais a tarefa de ensinar este bebê, em cada fase do seu desenvolvimento, a se tornar um indivíduo, um cidadão no mundo. 

Justamente por estar tão perdido e inseguro o bebê ou a criança vai testando, de forma inconsciente e gradativa, até onde pode ir, quais tarefas pode fazer e até mesmo quais ideias pode ou deve expor. 

Pais extremamente rigorosos, por exemplo, tendem a fazer com que seus filhos se tornem muito tolhidos em sua criatividade e espontaneidade. Entretanto pais que tem dificuldades em dizer não e impor limites aos seus pequenos estão tirando de seus filhos a oportunidade do aprendizado social, estão demonstrando para aquela criança que não se importam com o tipo de adulto que ela irá se tornar. 

Mesmo que esta não seja a realidade, é esta a mensagem que será transmitida a seu filho. Crianças que possuem uma noção de limites muito tênue tendem a fazer mais birras e mal-criações numa tentativa inconsciente de obter dos pais esse cuidado tão importante para seu desenvolvimento moral e social. 

É importante estabelecer limites justos para a criança, que tornem possível a explicação dos porquês de tais barreiras e impedimentos, e levem em consideração sua idade e as habilidades já adquiridas.

Em casos onde os pais tenham muita dificuldade, extrapolem ou não saibam como agir para impor estes limites, é muito importante a busca por um profissional da área da psicologia Infantil e do desenvolvimento. 

Quem ama cuida. 

Autor: Carolina Teixeira Bertti – Psicóloga Infantil – CRP 06/149000 
WhatsApp (11) 98206-8024
E-mail: contato@carolpsicologia.com.br