Como lidar com as mentiras?

Um ponto crucial para iniciarmos uma discussão a cerca das mentiras da criança é esclarecer o motivo de a criança  contar mentiras. 

Alguns pais me procuram no consultório extremamente preocupados pois seus filhos mentem contando histórias super elaboradas e se mantém firmes em suas mentiras mesmo quando pressionados pelos pais. 

Os pais então se preocupam se seu filho se torne um adulto mentiroso e dissimulado. 

Isso porque nós tendemos a olhar para a mentira da criança da mesma forma como nós conhecemos as mentiras dos adultos: ações feitas com maldade na intenção de obter benefícios para si próprio. 

Mas no caso das crianças não é bem assim, a criança muitas vezes se vê em um conflito entre o que ela quer ou o que ela fez e o que ela pensa que o adulto quer, neste momento então ela cria histórias fantasiosas na intenção de obter o que ela quer sem desagradar o adulto. 

Na maioria dos casos, esse é o grande ponto da mentira da criança, precisamos analisar que ela não o faz por maldade ou por falta de caráter, mas sim por insegurança, sempre com a intenção de agradar o adulto e ser aceita. 

Um exemplo disso é quando a criança chega da escola e os pais perguntam se ela se alimentou e comeu todo o lanche e ela diz que sim, mas ao olhar a lancheira os pais veem que o lanche está lá e intacto. A intenção da criança não era de enganar os pais para não comer, mas sim de não decepcionar os pais que gostariam que ela comesse. 

Ainda assim, as mentiras continuam sendo mentiras e por isso a criança deve ser ensinada a não ter mais essas atitudes, num processo brando e amoroso.

Em situações como essa do lanche por exemplo os pais podem falar para o filho que sabem que a criança quer que eles fiquem felizes e por isso ela disse que comeu o lanche, mas que isso não é legal, que os pais perguntam pois se preocupam e precisam saber realmente o que aconteceu. Fazendo com que aquele momento não se torne um martírio para a criança e nem um castigo para que ela se sinta culpada mas sim um momento de ensinamento.

É muito complexo para a criança ainda em desenvolvimento compreender seus sentimentos, ainda mais com tantos conflitos sociais que a criança passa a vivenciar, mas cabe aos pais ensina-lá e mostrar a ela o que ela está sentindo e como se comportar. O carinho e a compreensão são o caminho para o sucesso nesta tarefa. 

A criança está formando sua personalidade e os pais devem estar atentos, em casos mais graves onde as mentiras se tornem rotineiras ou atrapalhem a sociabilização da criança, busque a ajuda de um psicólogo infantil, estaremos sempre dispostos a lhes ajudar.

Quem ama cuida.

Autor: Carolina Teixeira Bertti – Psicóloga Infantil – CRP 06/149000 
WhatsApp (11) 98206-8024
E-mail: contato@carolpsicologia.com.br

Toda criança quer e precisa de LIMITES

Com a chegada de uma criança é muito comum que os pais fiquem completamente apaixonados e desejem que aquele filho seja abundantemente feliz. 

Entretanto este desejo pode levar alguns pais a cometerem certos excessos que levarão seus filhos a sentirem exatamente o oposto de felicidade e contentamento.

O bebê vem ao mundo completamente indefeso, sem saber como deve agir e o que pode ou não fazer, e cabe aos pais a tarefa de ensinar este bebê, em cada fase do seu desenvolvimento, a se tornar um indivíduo, um cidadão no mundo. 

Justamente por estar tão perdido e inseguro o bebê ou a criança vai testando, de forma inconsciente e gradativa, até onde pode ir, quais tarefas pode fazer e até mesmo quais ideias pode ou deve expor. 

Pais extremamente rigorosos, por exemplo, tendem a fazer com que seus filhos se tornem muito tolhidos em sua criatividade e espontaneidade. Entretanto pais que tem dificuldades em dizer não e impor limites aos seus pequenos estão tirando de seus filhos a oportunidade do aprendizado social, estão demonstrando para aquela criança que não se importam com o tipo de adulto que ela irá se tornar. 

Mesmo que esta não seja a realidade, é esta a mensagem que será transmitida a seu filho. Crianças que possuem uma noção de limites muito tênue tendem a fazer mais birras e mal-criações numa tentativa inconsciente de obter dos pais esse cuidado tão importante para seu desenvolvimento moral e social. 

É importante estabelecer limites justos para a criança, que tornem possível a explicação dos porquês de tais barreiras e impedimentos, e levem em consideração sua idade e as habilidades já adquiridas.

Em casos onde os pais tenham muita dificuldade, extrapolem ou não saibam como agir para impor estes limites, é muito importante a busca por um profissional da área da psicologia Infantil e do desenvolvimento. 

Quem ama cuida. 

Autor: Carolina Teixeira Bertti – Psicóloga Infantil – CRP 06/149000 
WhatsApp (11) 98206-8024
E-mail: contato@carolpsicologia.com.br