Por que evitar o “NÃO” para crianças muito pequenas?

A maturação cerebral ocorre desde a gestação até mais ou menos os 25 anos de idade, e este processo ocorre primeiramente nas áreas mais internas do cérebro e depois passa para as áreas mais externas.

O córtex pré-frontal uma parte do nosso cérebro responsável pelas funções executivas, ou seja, ações de execução como planejamento, flexibilidade, resolução de problemas, entre outras habilidades.

Quando escutamos comandos negativos como por exemplo “NÃO PULE”, nós escutamos a ação “PULE” e uma negativa anterior “NÃO”, o nosso córtex pré-frontal então percebe que existe um bloqueio e compreende que deve parar aquela ação.

Mas as crianças muito pequenas até mais ou menos os 5 anos ainda não tem o córtex pré-frontal totalmente formado, por este motivo quando elas escutam “NÃO PULE” o cérebro tem um grande conflito para resolver, e acaba dando prioridade aos comandos de ação, é como se a criança escutasse somente “PULE”.

Demonstração da localização do córtex pré-frontal.

Muitos pais tendem a pensar que a criança é teimosa ou desobediente, porém a realidade é que existe uma imaturidade neurológica que impede a criança de compreender o estímulo do ambiente, e ela acaba fazendo apenas a ação que lhe parece mais conveniente.

Uma boa dica é utilizar sempre comandos positivos, ou seja, ao invés de dizer “NÃO PULE” para uma criança diga “PARE” ou “FIQUE PARADO”, assim você terá uma chance muito maior de que o cérebro da criança compreenda seu pedido sem grandes conflitos e a criança possa te entender e obedecer.

Mesmo para as crianças maiores a partir dos 5 anos e já com o córtex pré-frontal um pouco mais desenvolvido é ideal que utilizemos comandos positivos, pois ainda é mais fácil para a criança compreende-los, então ao invés de dizer por exemplo “NÃO FAÇA BAGUNÇA” diga “DEIXE TUDO ARRUMADO”, perceba que estes comandos são mais complexos que os anteriores referentes ao pulo, por isso ideais para as crianças um pouco maiores.

Devemos respeitar a maturação cerebral de acordo com cada idade e faixa do desenvolvimento, e ainda assim estimular e ajudar os nossos filhos a se desenvolverem. Em casos de dificuldade ou que os pais não estejam sabendo a melhor forma de estimular os filhos a serem desenvolvidos e obedientes procure um psicólogo, estaremos aqui para lhe ajudar nessa jornada.  

Quem ama cuida.

Autor: Carolina Teixeira Bertti – Psicóloga Infantil – CRP 06/149000 
WhatsApp (11) 98206-8024
E-mail: contato@carolpsicologia.com.br

Seja o exemplo na vida do seu filho

A neurociência explica que existem vários tipos de neurônios, um grupo deles em especial é chamado de “neurônios espelho”.

É por meio destas células que os bebês conseguem imitar o comportamento dos adultos, e a partir de então se desenvolver socialmente e aprender seus primeiros movimentos, expressões faciais e comportamentos. 

Por exemplo, o adulto não explica a um bebe que ele deve fazer movimentos com a língua que estimulem suas cordas vocais para assim emitir sons que demonstrem que ele quer ou precisa de algo, isto seria inútil pois o bebe aprende de acordo com a observação do modelo e não com a explicação. O bebe observa e imita. 

Logo podemos perceber que o aprendizado por imitação é algo instintivo e biológico, sendo então uma forma de adquirir comportamentos e conhecimentos completamente natural da espécie humana. 

Na educação das crianças é comum que os pais expliquem para a criança regras de conduta, valores e conceitos que eles mesmos não seguem. 

Na maioria das vezes os pais não percebem que não são praticantes daquilo que eles pregam, afinal estão tão automatizados a agir de determinada maneira que por desejarem o melhor para seus pequenos acabam por ensinar com o velho método de “faça o que eu digo, mas não o que eu faço” mas será que isso irá realmente funcionar?

Muito provavelmente não, pois as crianças são muito observadoras e tem em seus familiares os seus primeiros e mais concretos modelos, então por mais que você tente explicar elas continuarão a se comportar de acordo com o seu comportamento. 

A dica de hoje é que você seja realmente a mudança que você quer no seu filho. Quer que ele seja doce com as pessoas, o trate com doçura. Quer que ele seja respeitoso para com os demais, o trate com respeito e seja respeitoso com as outras pessoas. 

Lembre-se sempre de buscar a sua evolução pessoal, e assim você verá seu filho se tornar um grande homem ou uma grandiosa mulher. 

Quem ama cuida.

Autor: Carolina Teixeira Bertti – Psicóloga Infantil – CRP 06/149000 
WhatsApp (11) 98206-8024
E-mail: contato@carolpsicologia.com.br